Seminário de Ufologia Avançada

  1. Seminário de Ufologia Avançada no RIO DE JANEIRO

    Contatos Imediatos no Litoral do Rio de Janeiro
    A Realidade da Conexão Espiritual

    Dia 26 de Janeiro (domingo), das 15 às 19 Horas...

    CASA DE PADRE PIO

    (Rua Assunção, 297 - Botafogo - Rio de Janeiro - RJ)

    CONFERENCISTAS

    Arthur Sérgio Neto

    Consultor da revista UFO, pesquisador de campo, teve várias experiências com UFOs.

    “O Caso Ogliméia Mozard”

    Apresenta a impressionante experiência de contato mantida na cidade de Araruama (RJ), quando vários seres extraplanetários “invadiram” a casa da Sra. Ogliméia Mozard. O caso foi investigado também pelo ufólogo Marco Antonio Petit, com regressão de memória desenvolvida pela psicóloga Gilda Moura. Será apresentada inclusive a gravação (vídeo) realizada durante a hipnose. As investigações revelaram que Ogliméia vinha mantendo experiências com os UFOs desde a idade de 5 anos.

    Orlando de Souza Barbosa Jr.

    Consultor da revista UFO, biólogo marinho, autor do livro “Maias e Hopis – povos fugitivos de uma catástrofe cósmica”, etc.

    “Dos Extraterrestres À Extraespiritualidade”

    Apresenta um mergulho profundo na transcendência da presença alienígena e a verdadeira essência do espírito. Essa conferência, também inédita, e que estará sendo apresentada pela primeira vez na Casa de Padre Pio, provocará com certeza muitas reflexões (não pode ser apresentada no evento passado).

    * Participação especial do ufólogo e escritor MARCO ANTONIO PETIT, co-editor da revista UFO e autor de sete livros, que abordam diferentes aspectos da Ufologia, que apresentará o tema “UFOs e ETs no litoral do Estado do Rio de Janeiro”.

    * Evento ilustrado com farta documentação visual (fotos e filmes).

    Inscrições: (R$ 40,00) no local, no dia do evento a partir das 14:30 hm.

    Informações: marcoantoniopetit@gmail.com / (21) 9584-1014.

    http://marcoantoniopetit.blogspot.com/

    https://www.facebook.com/marco.petit.982

    https://www.facebook.com/marcoantoniopetitdecastro

    Apoio:

    Revista UFO (www.ufo.com.br)

    Casa de Padre Pio (http://www.padrepio.org.br/)

    Pilares de Hermes – Escola de Mistérios (pilaresdehermes@gmail.com).

    A ilustração é de autoria do artista plástico Lielzo Azabuja. Foi realizada inspirada em um caso de contato ocorrido na cidade de Valença (RJ).
    Ver mais
    Foto: Seminário de Ufologia Avançada no RIO DE JANEIRO  Contatos Imediatos no Litoral do Rio de Janeiro A Realidade da Conexão Espiritual  Dia 26 de Janeiro (domingo), das 15 às 19 Horas  CASA DE PADRE PIO  (Rua Assunção, 297 - Botafogo - Rio de Janeiro - RJ)  CONFERENCISTAS  Arthur Sérgio Neto  Consultor da revista UFO, pesquisador de campo, teve várias experiências com UFOs.  “O Caso Ogliméia Mozard”  Apresenta a impressionante experiência de contato mantida na cidade de Araruama (RJ), quando vários seres extraplanetários “invadiram” a casa da Sra. Ogliméia Mozard. O caso foi investigado também pelo ufólogo Marco Antonio Petit, com regressão de memória desenvolvida pela psicóloga Gilda Moura. Será apresentada inclusive a gravação (vídeo) realizada durante a hipnose. As investigações revelaram que Ogliméia vinha mantendo experiências com os UFOs desde a idade de 5 anos.  Orlando de Souza Barbosa Jr.  Consultor da revista UFO, biólogo marinho, autor do livro “Maias e Hopis – povos fugitivos de uma catástrofe cósmica”, etc.  “Dos Extraterrestres À Extraespiritualidade”  Apresenta um mergulho profundo na transcendência da presença alienígena e a verdadeira essência do espírito. Essa conferência, também inédita, e que estará sendo apresentada pela primeira vez na Casa de Padre Pio, provocará com certeza muitas reflexões (não pode ser apresentada no evento passado).  * Participação especial do ufólogo e escritor MARCO ANTONIO PETIT, co-editor da revista UFO e autor de sete livros, que abordam diferentes aspectos da Ufologia, que apresentará o tema “UFOs e ETs no litoral do Estado do Rio de Janeiro”.  * Evento ilustrado com farta documentação visual (fotos e filmes).  Inscrições: (R$ 40,00) no local, no dia do evento a partir das 14:30 hm.  Informações: marcoantoniopetit@gmail.com / (21) 9584-1014.  http://marcoantoniopetit.blogspot.com/  https://www.facebook.com/marco.petit.982  https://www.facebook.com/marcoantoniopetitdecastro  Apoio:  Revista UFO (www.ufo.com.br)  Casa de Padre Pio (http://www.padrepio.org.br/)  Pilares de Hermes – Escola de Mistérios (pilaresdehermes@gmail.com).  A ilustração é de autoria do artista plástico Lielzo Azabuja. Foi realizada inspirada em um caso de contato ocorrido na cidade de Valença (RJ).

Mensagem da Presidencia

A querida família da Casa de Padre Pio,

Desejo uma Feliz Páscoa a todos voces companheiros de
jornada e suas respectivas famílias. Que possamos estar cada vez mais unidos de coração no amor, na fé , na alegria de viver e na caridade.

Em anexo repasso para voces uma mensagem simples e profunda que recebi de uma amiga para refletirmos !

Muita PAZ, LUZ e HARMONIA hoje e sempre!

Qua Padre Pio se sua amorosa falange continuem nos abençoando, nos amparando e inspirando.

Abraços
fraternos, Lucia Pires

Curas Espirituais

A MATRIZ VIVA -- A NOVA CIÊNCIA DA CURA

Cura Energética ~Gregg Braden

Assitam a este vídeo legendado que nos foi apresentado em Mendes por Luiz Augusto. Comprova cientificamente o que sempre ouvimos pelos mentores espirituais.....

Atividades da Casa de Padre Pio

Calendário 2013 Vs Abril

1 de dez de 2009

Nada cega mais que a percepção da Forma

Texto lido por Roberto Gaensly em Mendes
A SALVAÇÃO E O RELACIONAMENTO SANTO

III A razão e as formas do erro
1. A introdução da razão no sistema de pensamento do ego é o início do seu desfazer, pois a razão e o ego são contraditórios. Não é possível que os dois coexistam na tua consciência. Pois a meta da razão é fazer com que fique claro e, portanto, óbvio. Podes ver a razão. Isso não é um jogo de palavras, pois aqui está o início de uma visão que tem significado. Visão é sentido, literalmente. Dado que não é o que é visto com os olhos do corpo, essa visão não pode deixar de ser compreendida. Pois ela é clara e o que é óbvio não é ambíguo. Pode ser compreendido. E aqui separam-se a razão e o ego, para seguir seus caminhos separados.
2. Toda a continuidade do ego depende da sua crença segundo a qual tu não podes aprender esse curso. Compartilha essa crença e a razão será incapaz de ver os teus erros e abrir caminho para a sua correção. Pois a razão vê através dos erros, dizendo-te que o que pensavas que era real não é. A razão pode ver a diferença entre pecado e equívocos, porque ela quer a correção. Por conseguinte, te diz que o que pensavas que era incorrigível pode ser corrigido e, portanto, não pode deixar de ter sido um erro. A oposição do ego à correção conduz à sua crença fixa no pecado e a não considerar erros. Ao olhar, ele não acha nada que possa ser corrigido. Assim o ego leva à perdição e a razão salva.
3. A razão não é salvação em si mesma, mas abre caminho para a paz e te traz a um estado mental no qual a salvação pode ser dada a ti. O pecado é um bloqueio colocado como um pesado portão trancado e sem chave no meio da estrada para a paz. Ninguém que olhe para ele sem o auxílio da razão tentaria passar por ele. Os olhos do corpo o contemplam como granito sólido, tão espesso que seria loucura tentar ultrapassá-lo. No entanto, a razão vê através disso com facilidade, porque é um erro. A forma que toma não pode esconder seu vazio aos olhos da razão.
4. Só a forma do erro atrai o ego. O significado ele não reconhece e não vê se existe ou não. Tudo o que os olhos do corpo podem ver é um equívoco, um erro na percepção, um fragmento distorcido do todo sem o significado que o todo lhe daria. Apesar disso, os equívocos, independentemente de suas formas, podem ser corrigidos. O pecado é apenas um erro em uma forma especial que o ego venera. Ele quer preservar todos os erros e fazer com que sejam pecados. Pois aqui está a sua própria estabilidade, a sua âncora pesada no mundo passageiro que fez; a pedra sobre a qual sua igreja está edificada e onde seus adoradores estão presos aos corpos, acreditando que a liberdade do corpo é a sua própria.
5. A razão te dirá que a forma do erro não é o que faz dele um equívoco. Se o que a forma esconde é um equívoco, a forma não pode impedir a correção. Os olhos do corpo vêem apenas forma. Não podem ver além do que foram feitos para ver. E foram feitos para olhar para o erro e não para ver o que vem depois. A sua percepção é de fato estranha, pois só podem ver ilusões, estão impossibilitados de olhar além do bloco de granito do pecado e param na forma exterior do nada. Para essa forma distorcida de visão, o exterior de todas as coisas, a parede que está entre tu e a verdade é totalmente verdadeira. Entretanto, como é possível que a vista que estaca diante do nada, como se o nada fosse uma sólida muralha, veja verdadeiramente? Ela é retida pela forma, tendo sido feita para assegurar que nenhuma outra coisa senão a forma seja percebida.
6. Esses olhos, que não foram feitos para ver, nunca verão. Pois a idéia que representam não deixou aquele que a fez e é ele que vê através deles. Qual era a sua meta senão a de não ver? Para isso, os olhos do corpo são meios perfeitos, mas não para ver. Vê como os olhos do corpo repousam no exterior e não vão além. Observa como eles param diante do nada, incapazes de ir além da forma para o significado. Nada cega tanto quanto a percepção da forma. Pois ver a forma significa que a compreensão foi obscurecida.
7. Só os equívocos têm formas diferentes e assim podem enganar. Podes mudar a forma porque ela não é verdadeira. Ela não poderia ser realidade porque pode ser mudada. A razão te dirá que se forma não é realidade, tem que ser uma ilusão e não existe para ser vista. E se tua vês, não podes deixar de estar enganado, pois estás vendo o que não pode ser real como se o fosse. O que não pode ver além do que não existe, não pode deixar de ser uma percepção distorcida e tem que perceber ilusões como a verdade. Nesse caso, poderia tal coisa reconhecer a verdade?
8. Não permitas que a forma dos seus equívocos te mantenha afastado daquele cuja santidade é a tua. Não permitas que a visão da sua santidade, perspectiva essa que te revelaria o teu perdão, seja afastada de ti pelo que os olhos do corpo podem ver. Permite que a tua consciência do teu irmão não seja bloqueada pela tua percepção dos seus pecados e do seu corpo. O que existe nele que queiras atacar exceto o que associas com o seu corpo, que segundo a tua crença pode pecar? Além dos seus erros, está a sua santidade e a tua salvação. Tu não lhe deste a sua santidade, mas tentaste ver nele os teus próprios pecados com o fim de te salvares. No entanto, a sua santidade é o teu perdão. Podes ser salvo fazendo pecador aquele cuja santidade é a tua salvação?
9. Um relacionamento santo, por mais recém-nascido que seja, tem que valorizar a santidade acima de todas as coisas. Valores não-santos produzirão confusão, e na consciência. Em um relacionamento não-santo, cada um é valorizado porque parece justificar o pecado do outro. Cada um vê dentro do outro aquilo que o impele a pecar contra a sua vontade. E assim coloca os seus pecados em cima do outro e é atraído para ele para perpetuar os seus pecados. E assim, necessariamente, vem a ser impossível para cada um ver a si mesmo como a causa do pecado devido ao próprio desejo que tem de que o pecado seja real. No entanto, a razão vê um relacionamento santo como aquilo que ele é: um estado da mente que é comum, onde ambos alegremente entregam os erros à correção para que ambos possam ser curados em felicidade como um só.

10 de nov de 2009

Pós Graduação em Saúde e Espiritualidade

A AME Brasil (Associação Médico Espírita do Brasil) dá o primeiro passo para mudar o paradigma médico no Brasil. Será a primeira Universidade que adotará um curso inovador unindo ciência e espiritualidade.


Objetivos:

Desenvolver a noção de multidimensionalida de e interconexão do Ser.
Reconhecer a espiritualidade como sendo algo inerente ao psiquismo humano e da sua importância na saúde física e mental.
Refletir sobre a mudança de paradigma que surge ao se acrescentar a dimensão espiritual na abordagem do paciente.
Estudar as relações entre saúde e religiosidade/ espiritualidade.
Proporcionar uma reflexão sobre a religiosidade intrínseca e extrínseca na busca por uma melhora na qualidade de vida e de saúde.
Conhecer o significado do coping religioso e espiritual.
Resignificar a importância de práticas religiosas/espiritu ais na promoção da saúde física e mental.
Conhecer os mecanismos fisiológicos e bioquímicos envolvidos na crença.
Conhecer as principais linhas de pesquisa sobre Saúde e Espiritualidade.
Refletir sobre novas possibilidades terapêuticas com a inclusão da dimensão espiritual na prática clínica.
Preparar o profissional da saúde para exercício da religiosidade e da espiritualidade na prática clínica.
Refletir sobre questões éticas envolvidas na abordagem médica da espiritualidade/ religiosidade dos pacientes.
Articular os principais conceitos em tanatologia na relação Saúde e Espiritualidade.
Suscitar os valores humanos que compõem a Espiritualidade.
Ressaltar a necessidade da compaixão e do amor como base fundamental no cuidado do paciente.
Demonstrar a importância da espiritualidade para a humanização do atendimento médico-hospitalar.

Dia e horário das aulas: sextas das 18hs às 22hs e sábados das 8h às 12hs e das 13hs às 17hs.

Local: Faculdades Monteiro Lobato – Rua dos Andradas, 1180. Centro, Porto Alegre, RS.

Investimento:
Valor à vista: R$ 5.940,00
Parcelamento em 12 vezes de R$ 550,00, total R$ 6.600,00
Parcelamento em 18 vezes de R$ 385,00, total R$ 6.930,00
Parcelamento em 24 vezes de R$ 300,00, total R$ 7.200,00

Início das aulas: Março de 2010
Disciplinas:
Saúde e Espiritualidade – Aspectos Teóricos e Práticos.
Introdução à Filosofia da Ciência
Evidências Empíricas da Sobrevivência da Consciência após a morte do corpo
Metodologia de Pesquisa em Espiritualidade e Saúde
Psicologia e Espiritualidade
Psicologia e Espiritualidade II
O processo de individuação: caminhando entre o viver e o morrer
Estudo Sobre Consciência, Realidade e Destino
Fisiologia Transdimensional
Relação Profissional de Saúde e Paciente
Evolução e Funções do Cérebro de Manifestação da Mente
Espiritualidade no Processo de Envelhecer
Psiquiatria e Espiritualidade
Perspectivas Espirituais na Prática Clínica – Seminários
Práticas Cotidianas e Espiritualidade
Trabalho de Conclusão de Curso.



Corpo Docente:
Esp. Anahy Fonseca
Esp. Carlos Eduardo Accioly Durgante
Ms. César Geremia
Drº Décio Iandoli Jr
Ms Gelson Luis Roberto
Esp. Gilson Luis Roberto
Drª Irvenia Luiza de Santis Prada
Esp. Marlene Nobre
Esp. Paulo Rogério Dalla Colletta de Aguiar
Drº Rogério Severo
Esp. Sérgio Lopes
Drª Tatiane Tourinho



Obs.: O corpo docente poderá sofrer alteração se necessário



1 de out de 2009

O SIGNO DE LIBRA por Rosa Carmen

Saudando e iluminando a Primavera, o Sol já entrou no signo de Libra. Tudo em tom rosado que é a cor que representa o AMOR!
PARABÉNS LIBRIANOS!!!
Antes de mais nada, um belo início de Primavera para todos nas palavras de um poeta...


“Quem és tu, caro leitor, lendo estes meus poemas daqui a cem anos?
Não posso te enviar uma só flor de toda a riqueza desta Primavera, nenhum raio destas nuvens douradas...
Abre tuas portas, e olha ao redor!
Colhe de teu jardim as perfumadas lembranças das flores que murcharam cem anos antes... Talvez recebas em teu coração a alegria viva que te envio nesta manhã de Primavera, ecoando sua voz feliz através destes cem anos.”

(Rabindranath Tagore – 1861/1941)

Sem esquecermos nunca que tudo o que falarmos sobre Astrologia serve para todos nós, mesmo para quem não possui o Sol, a Lua, o Ascendente e outros planetas mais no signo do qual estamos falando. É bom repetir sempre que nossos mapas possuem todos os signos e planetas do Zodíaco. Afinal, somos uma Unidade!

Segundo signo da tríade do elemento Ar (Gêmeos, Libra e Aquário), tendo como regente o planeta Vênus, Libra representa os relacionamentos, as uniões, as sociedades. Vênus, a deusa do amor e da beleza, também simboliza o Julgamento, trazendo numa mão a Balança e na outra a Espada (lembrando Marte, regente do seu oposto Áries).

Esses três signos regem a comunicação e os relacionamentos, portanto, nos incentivam a interagirmos bem uns com os outros. Ajudam na realização do nosso aprendizado mais importante na Terra. Este é o início do caminho para o amor, é quando começamos a nos dar conta de quanto é importante a companhia do nosso semelhante, de que ele é necessário em nossa vida e nos completa. E que, no fim das contas, nunca estaremos sós. É o outro visto como a imagem da divindade.

Como o sétimo signo do Zodíaco, Libra rege a sétima casa, aquela que inicia o hemisfério superior da mandala zodiacal. Representa a casa do “outro”, daquele que se encontra do lado oposto do Ascendente, portanto, o oposto de nós mesmos. O libriano costuma ter um bom senso de justiça e busca ardorosamente manter-se em equilíbrio. Tenta fugir de brigas e desentendimentos, evitando entrar em qualquer conflito. Deseja muito uma relação de companheirismo e respeito mútuo. Seus padrões éticos são de alto nível e procura estar sempre de acordo as exigências sociais. É capaz de fazer diversas concessões para evitar conflitos e aborrecimentos; lembra o slogan: “Faça amor, não faça guerra.” Bastante mental, gosta de argumentar, debater, mas sempre procurando pesar os pós e os contras e nunca tomando decisões precipitadas. Seu desejo de compatibilizar, as vezes dificulta qualquer decisão, pois uma outra faceta desse signo é a indecisão, o libriano tem dificuldade de fazer escolhas. Muitas vezes, fica tão ligado noutra pessoa que reflete-se nela, o que pode trazer sofrimento. Mas, o lado bom dessa atitude é que, com isso, também pode conseguir colocar-se no lugar dos outros, entender seu ponto de vista, o que o torna muito conciliador, um verdadeiro diplomata.
Assim deveria ser, no melhor sentido, uma pessoa regida por Libra mostrando-se mais madura e desenvolvida que as dos signos anteriores, pois encontra-se no meio do caminho na evolução do Zodíaco e Saturno está exaltado em Libra. Tais atitudes, no entanto, podem levar o libriano a tornar-se muito exigente, querendo encontrar nos outros um ideal inatingível para o comum dos mortais. Não gosta de viver sozinho, precisa de companhia e, para isso, muitas vezes entra em acordo mesmo sem querer, depois sente-se frustrado. A casa 7 no Zodíaco (o Descendente) é onde aprendemos a criar os vínculos mais profundos, onde casamos, onde escolhemos sócios e companheiros para muito tempo, por anos de vida. Sendo assim, o libriano tende a sentir necessidade de viver casado ou ter sempre uma companhia. Mas, essa casa é também onde se encontram os nossos oponentes, nossos inimigos declarados, pois estão a nossa frente e não se escondem, mostram-se abertamente. Outra faceta desse signo é a indecisão, o libriano tem dificuldade de fazer escolhas. Aprecia tudo o que é belo, possui bom gosto e elegância, o que pode torná-lo muito observador e crítico tanto no sentido estético quanto no dos comportamentos alheios. Pode ser vaidoso em excesso, gastar demais com tudo o que lhe agrada e acha bonito, mesmo quando não tem condições financeiras para isso. Pelo lado negativo, pode tender a agir de forma oportunista para conseguir o que deseja.


Esse momento de energia libriana nos convida a reconhecermos nos outros os espelhos que trazem refletidas nossas imagens ocultas, aquelas das quais fugimos e tentamos esconder até de nós mesmos. A percebermos que o inimigo externo pode trazer a mesma face do interno (aquilo que não gostamos em nós). Nos ensina a amarmos o outro como deveríamos amar a nós mesmos, a entendermos suas fraquezas e não exigirmos dele o que não podem dar, assim como gostaríamos que fizessem conosco. É o momento da moderação, do bom entendimento, do não julgamento, da busca de uma atitude justa e respeitosa, acompanhada de uma boa dose de afeto. A compreensão de que precisamos e precisaremos sempre uns dos outros, por sermos todos complementares e, assim, começarmos a entender e a aceitar o mistério da Unidade.

Tem uns versinhos que dizem bem o significado do apego e do apreço que pode nos trazer um saudável sentimento da nossa Vênus:


“Gosto e preciso de ti
Mas quero logo avisar
Não gosto porque preciso
Preciso sim, por gostar.”

(Mário Lago)


Aproveitemos o que há de melhor na Energia Libriana: SOCIABILIDADE – COMPANHEIRISMO – ÉTICA – EQUILÍBRIO – SENTIDO ESTÉTICO – BOA EDUCAÇÃO – AFETIVIDADE – REFINAMENTO – BOM ENTENDIMENTO – CONCILIAÇÃO - AMOR

26 de ago de 2009

O SIGNO DE VIRGEM por Rosa Carmen

PARABÉNS VIRGINIANOS!!!!!!

Este ano o Sol entrou no signo de Virgem no dia 23 de Agosto.

No hemisfério norte o verão encaminha-se para o seu final.
Neste momento os frutos encontram-se prontos para serem colhidos e servidos a todos os seres vivos da terra, trazendo-lhes a saciedade e as substâncias necessárias para mantê-los vivos e saudáveis.
Este signo é representado por uma virgem que segura ou um ramo de trigo ou uma espiga que representam o trabalho árduo, do plantio e da colheita, que se repete todos os anos. Tem a ver com o mito grego de Deméter (Ceres para os romanos), a deusa da agricultura e Perséfone, a filha que ela teve com Júpiter. Perséfone ou Core foi raptada por Plutão (senhor do mundo subterrâneo, do mundo das trevas). Desesperada, pela perda da filha, Deméter abandonou sua posição de deusa do Olimpo e afirmou que não permitiria que a vegetação crescesse nem voltaria ao convívio dos imortais enquanto sua filha não lhe fosse entregue de volta. Como a ordem do mundo estivesse em perigo, Zeus (Júpiter) pediu a Plutão que devolvesse Perséfone. Assim chegou-se a um consenso: Daí em diante a deusa filha passaria seis meses com o marido e seis meses com a mãe. A terra cobriu-se instantaneamente de verde.
“Deméter é, pois, a Terra-Mãe, a matriz universal e, mais especificamente a mãe do grão. Sua filha Core é o grão mesmo de trigo, alimento e semente, que, escondida por certo tempo no seio da Terra, dela novamente brota em novos rebentos. Plutão é a projeção dessa semente, sendo, assim também um deus da riqueza agrária.” (Junito Brandão – Mitologia Grega, Vol.I).
O virginiano em todos os momentos, em tudo o que faz, costuma agir como um bom agricultor, analisa, cataloga, separa, discrimina. Busca incessantemente a perfeição. Esmera-se para encontrar o ponto certo em cada tarefa que realiza, aquele que imagina ser o melhor e o mais harmônico. Para isso são atentos observadores de tudo o que se passa ao seu redor, nada escapa à sua atenção.
Como um signo de terra, traz praticidade aos que nasceram sob sua égide e facilita para que sejam bem resolvidos no campo material. Virgem é regido por Mercúrio como o signo de Gêmeos, porém, um Mercúrio mais maduro, mais sério, mais exigente. As pessoas nascidas com o sol neste signo, costumam ser bons trabalhadores e esperam reconhecimento disso. Dão importância ao cumprimento do dever, com dedicação integral, o trabalho para eles é sagrado, é um ideal de vida. Ao invés de vê-lo como um sacrifício, vêm nele um sacro-ofício (um ofício sagrado). Eficientes, podem ser especialistas em várias categorias profissionais, principalmente como médicos, enfermeiros, todos da área da saúde e também professores, matemáticos, pois são detalhistas e precisos. Para eles tudo precisa ser melhorado, aperfeiçoado.
Seguem uma rotina de vida criativa que não lhes enfada nem lhes causa estresse, pois sentem prazer em todas as tarefas do dia a dia. Cuidam-se bem, procuram ter boa alimentação, cultivam uma boa saúde. Muito prestativos, podem ser as vezes exigidos demais pelos que lhe são próximos e têm dificuldade de dizer um “não” quando são solicitados.
Vivida de forma negativa, a energia do Virgem pode provocar uma baixa auto-estima, pois o excesso de exigência consigo mesmo e com os outros faz com que a pessoa nunca esteja satisfeita, aumentando sua frustração diante de qualquer engano ou erro ou quando não se sente prestigiada. Deprecia-se, fica tímida e desanimada, sente medo de ser notada. Pode tornar-se um trabalhador compulsivo, nervoso, crítico em excesso. Tendência à hipocondria, sai tomando toda espécie de remédios e fica com mania de limpeza ou, ao contrário, torna-se desleixada e tem pouca higiene. Sente-se vítima e explorado pelos outros. Vive com desorganização, ociosidade e preguiça. Superficialidade e falta de cuidados com a saúde.
Mesmo agindo de forma prática e objetiva o bom virginiano(a), em sua busca da perfeição, um atributo celeste, torna-se alguém que desenvolve uma elevadíssima procura espiritual. Como oposto ao signo de Peixes, Virgem rege a casa seis, bem no meio da jornada zodiacal. O meio do caminho do nosso desenvolvimento, da nossa busca pelo divino.
Como já dissemos ontem, estamos agora em época de colheita! Todas as sementes que plantamos nos últimos meses, estão espalhando seus frutos em nossas vidas. É um momento de sermos receptivos e prestativos, de aprendermos a aceitar os outros como são, sem muita crítica, sem grandes exigências. De valorizarmos e agradecermos a Deus por cada instante e cada experiência do nosso dia a dia. De abrirmos nossos corações e permitirmos que nossos corpos e nossos espíritos sejam alimentados por todas as bênçãos e riquezas nascidas da nossa Mãe-Terra.
Um momento de depuração e busca de aperfeiçoamento, de aprendermos a dar, receber e agradecer!

TRABALHO - APRIMORAMENTO – EFICIÊNCIA – UTILIDADE -
SAÚDE - ACEITAÇÃO - BUSCA DA PERFEIÇÃO E DE CONFIANÇA EM SI MESMO- INTERESSE PELA ECOLOGIA.


25 de ago de 2009

QUAL O MISTÉRIO DA VIDA? De César Soares dos Reis

Todos os homens têm algumas dimensões, ou forças que os movem. Uma dimensão óbvia é dada pelas forças do meio ambiente, da cultura à qual somos submetidos. A língua, os costumes, o folclore, a religião, a educação que recebemos do meio em que vivemos, contribuem de maneira decisiva para a nossa maneira de ser. Seria, assim, uma dimensão externa porque, simplesmente, age sobre nós, de fora para dentro.
Um outro conjunto de forças que atuam sobre nós tem origem em nós mesmos. São, comparativamente falando, verdadeiros animais.
É o leão em nós que nos faz desejar o mando, o domínio, reinar sobre os outros.
A águia em nós, que nos faz querer ser admirados pelos grandes vôos da inteligência.
Há a raposa, esperta, armando dificuldades para os outros. Os morcegos hematófagos, sugando as forças dos outros.
São os ruminantes em nós que nos fazem valorizar em excesso a alimentação, o prazer da mesa, os requintes da bebida.
Há ainda o urubu que espreita a carniça das pessoas que destruímos, os cadáveres dos que derrotamos ao longo da vida.
E a preguiça, indolente.
Há os animais peçonhentos, espalhando veneno por onde passam, falando mal dos outros, levantando suspeitas, dúvidas, aleivosias, criticando impiedosamente o nosso próximo.
Todas essas forças animalescas convivem conosco, longamente. Muitas vezes tomam conta de nossa vida e cometemos atos bárbaros, dignos da animalidade mais grosseira. São forças do nosso primitivismo, que estão em nós em dimensão interna. Certamente estão ligadas ao nosso passado.
Felizmente não estamos entregues apenas a tais forças. Algumas criaturas nos falam de uma voz interior, uma voz que mora n'alma e que fala lá de dentro, do fundo do nosso ser e nos aconselha e orienta. Convida nossa atenção para que não cometamos transgressões à lei divina. Alguns a identificam como a voz da consciência. Muitas grandes almas se referem a essa voz íntima, que se manifesta sob a forma de intuição, compreensão do significado profundo das coisas, esquecimento de si mesmo, aumento da capacidade de amar e de compreender, sensação de unidade com todos os seres, e com o mundo, capacidade de entrega feliz de si mesmo, reconhecimento da finalidade da vida. Para alguns são lampejos de luz. Para outros, é luz duradoura. Os resultados são amadurecimentos, mudanças internas, estabilização emotiva, ou seja, a manutenção de um estado de espírito que permanece inalterável, sejam quais forem os acontecimentos à volta. Chama-se a isso serenidade. Muitas vezes pensamos que a serenidade está fora de nós, por exemplo, no lago tranqüilo, na brisa fresca da manhã, no vôo dos pássaros. Mas a verdadeira serenidade está dentro de nós. É o Pai em nós, como está dito nos textos sagrados: "Já não sou mais eu quem vive, mas o Pai que vive em mim" ou, então, a idéia de unidade, de integridade: "É preciso ser um com o Pai".
Esse encontro com o Pai é o verdadeiro sentido da religiosidade, uma força intrínseca, não necessariamente ligada à religião. Tal encontro nos leva a expandir a consciência, levando-nos a abrir-nos a nós mesmos, a superar os obstáculos, a abandonar-nos a nós mesmos, a ter confiança absoluta no Pai, a compreender a natureza das energias que nos envolvem, associando-as às energias divinas, assimilar tais energias, colaborar com elas, utilizá-las para a nossa transformação.
(...) As portas da evolução são abertas de dentro para fora, ou seja da intimidade da alma, do sentimento mais profundo, para a exterioridade. Enquanto não amadurecemos, valorizamos a consciência de superfície, a transitoriedade, os paradigmas sociais, os condicionamentos da vida externa.
(...) Todo amadurecimento se confirma com a experiência subjetiva de alegria, de liberdade efetiva, de vitalidade real. Nestes momentos afluem em nós torrentes de luz, de felicidade, de força, mesmo a custa de alguma aparente renúncia, de uma aparente perda, de uma aparente separação. Porque são apenas aparentes as coisas transitórias.

19 de ago de 2009

VOCÊ VIU O MILAGRE HOJE? - AÇÃO SOCIAL


Buda disse: "Se nós pudéssemos ver claramente o milagre de uma única flor, nossa vida inteira iria mudar".
Se conseguíssemos ver como as pequenas coisas nos modificam, nossa vida seria constantemente recheada de milagres...
Reflita sobre isso.


PS: trabalho realizado pelo grupo da Oficina de Reciclagem da Ação Social da Casa de Padre Pio.

Reflexão do Mes por Valéria Trigueiro

ADOÇÃO - O FILHO DA ESTRELA

Tenho prestado atenção sobre o assunto Adoção, portanto ele passeia pela minha mente e coração com intimidade e o tempo todo. Leio várias coisas sobre os, digamos, “efeitos colaterais” que pode causar, mas pouco vejo falarem sobre o ato de doação que é escolher ter um filho, ainda que ele não tenha saído do ventre de sua mãe. Saiu de um ventre sagrado, como é todo aquele que gera uma vida. Então, vocês poderiam estar se perguntando: e aquele que não conseguiu gerá-la, não seria sagrado? Claro que sim, porém nesse caso, a sacralidade está mais acima – no coração e nos braços que recebem a criança. Esta mãe não planejou a data em que o filho nasceria, não escolheu a genética perfeita, como temos visto por aí. Entretanto, escolheu ser mãe. Muitas vezes esgotou todas as formas, como inseminação artificial, tratamentos dolorosos e como não obteve sucesso, passou a prestar atenção em seus sentimentos. Interessante é que o corpo grita literalmente pelo filho, o pai tenta acompanhar e quando estão realmente em sintonia, recebem a mensagem clara como um raio de sol – adoção.

Não vemos o ventre crescer, mas podemos notar o brilho dos olhos e até alguns sintomas de gravidez na mãe que se prepara para receber seu filho que vem das Estrelas. Todos viemos, entretanto, nesses casos, é mais fácil notar, se prestarmos atenção, como a Vida vai trabalhando para colocar as pessoas certas diante do casal. É aquela criança o seu filho. Alguém emprestou-lhe o ventre para chegar à Terra e isso nada difere dos filhos chamados legítimos. Eu emprestei o meu para trazer meu filho à Terra, minha mãe emprestou o seu para que eu pudesse estar aqui. Somos veículos de Deus.

Quando alguém nasce é necessária toda uma conjunção de fatores não apenas genéticos, mas espirituais. Aquela criança precisa ter tais características físicas e principalmente emocionais para fazer sua parte naquela família. Tanto assim é que os filhos adotados têm características de seus pais não biológicos, mesmo que pouco conviva com eles por um motivo ou outro. Parece coincidência, mas não é. Quantas vezes achamos pais e filhos parecidíssimos e não são biologicamente pais e filhos? São no coração, a Natureza não engana nunca. Acho até que faz de propósito para mostrar que é Ela quem dá as ordens. A criança se parece fisicamente com o pai e tem o temperamento da mãe. Alguém pode estar pensando: “ora, por conviver com ela é o mais provável ter suas características emocionais!”. Bem, então preciso contar-lhes: conheço um menininho muito lindo que a semente que o trouxe à Terra foi plantada em dois corações – é, não foi no ventre da mãe (aquela dos braços e coração sagrados). Ela esteve com ele por dois anos e logo depois, foi chamada a trabalhar na Espiritualidade pessoalmente, isto é, não pode mais fazer parte deste mundo aqui na Terra. Dizemos que virou uma estrela, mas a verdade é que voltou para a Estrela de onde veio – aquele Planeta que habitamos antes de encarnar na Terra e para onde voltamos mais cedo ou mais tarde.

Ocorre que o menininho de quem falo tem muitas, digo, muitas características dela. Até hábitos alimentares que não tinha como aprender com dois anos. O temperamento? Às vezes acho até que a vejo quando diz as coisas de forma assertiva, com vontade forte, ninguém o convence a fazer o que não quer – a não ser que o argumento seja o amor, e que ele possa percebê-lo, senão o bico cresce, cruza os braços e fica zangado. Após alguns momentos, volta como se nada tivesse acontecido. Pensamos: “olha o filme se repetindo, só que o personagem

agora é seu filho.”

Muitas pessoas dizem: “ah... não tem mãe, que pena!” As pessoas esquecem que tem sim e como tem! O que acham que acontece com uma mãe que vê seu filho de uma perspectiva mais ampla, com distanciamento físico? O emocional, certamente está ampliado - o peso da matéria não atrapalha as ondas magnéticas do amor. Quem conheceu esta mãe sabe muito bem que transbordava de emoção. Imagina agora!

E lembremos que a Terra é feminina, é mãe. Ele vive com a mãe da mãe dele, que segundo diz-se, é mãe duas vezes. E preciso contar: existe uma outra mulher, que pasmem vocês, foi escolhida inconscientemente pela mãe para tomar conta de seu filho, mesmo sem saber que partiria (será?). Enfim, ele é amado por muitas mulheres que o maternalizam e um pai, bem, com todo respeito, tem características maternais incontestáveis.

A verdade é que não sei bem porque quis escrever tudo isso, mas creio que é a minha forma de maternalizar todos os menininhos e menininhas que foram adotados pelo amor. E incentivar aos pais que não conseguiram ainda ter “seus” filhos a olharem para os lados. Pode ser que vejam o veículo que trará sua criança, seja ele em forma de instituição, pessoas ou mesmo intuírem o caminho a percorrer até tê-los em seus braços.

Lembremos das funções que temos uns nas vidas dos outros. Com filhos não é diferente. Aliás, não é mesmo!

8 de ago de 2009

O Sol no signo de Leão

A partir das 15h do dia 22/07/2009 o Sol entrou no signo do Leão e permanecerá neste signo até 22/08/2009.

Luz do sol
Que a folha traga e traduz
Em verde novo
Em folha em graça
Em vida em força em luz

Leva no coração uma ferida acesa
Dono do sim e do não
Diante da visão da infinita beleza

(Caetano Veloso)



O Sol no signo de Leão

O Leão, segundo signo do elemento fogo, é regido pelo próprio Sol. O Sol, estrela de quinta grandeza, fogueira astral que emite raios vitais para a sobrevivência da nossa espécie sobre o solo terrestre. O sol, centro do nosso sistema planetário, doador maior, sem ele não haveria o calor que aconchega e aquece, o fruto que alimenta, as plantas e flores que purificam o ar que respiramos e trazem aromas e beleza ao nosso mundo. Não haveria a vida que conhecemos na Terra. O Sol, astro rei que foi considerado e cultuado pelos povos primitivos como o deus mais poderoso, simbolizando o poder da realeza. Na mitologia grega o deus Sol era Hélios, “aquele que brilha”: Representado por um jovem de grande beleza, com a cabeça cercada de raios, qual uma cabeleira de ouro. Percorria os céus dirigindo um carro de fogo puxado por quatro cavalos brancos em alta velocidade.
Nesse sentido, era considerado como o olho do mundo, “Aquele que tudo vê”.

Portanto, o significado mitológico do Sol é:

Centro e Circunferência, inclusive de Centro do Mundo.

Dignidade – Grandeza – Integridade - Luminosidade – Plenitude
Logos – Princípio Cósmico da Consciência.


Na astrologia o sol representa nosso ego. Sendo assim, os leoninos, quando vivem o melhor do seu signo, espelham a força da vida, a alegria de viver e demonstram essa energia com autoridade e comando. Costumam ser pessoas generosas, seguras, confiantes e nobres de caráter. É de sua natureza possuir uma boa auto-estima, um ego forte e bem estruturado. Isto os ajuda a reagir bem as dificuldades da vida e não permite que se sintam tristes e abatidos. Um sol (ego) enfraquecido, tornaria a pessoa tímida, medrosa e insegura, incapaz de se impor e mostrar o poder e autoridade naturais que a energia solar lhe confere.
Com muita vitalidade, tendem a ter boa saúde, gostam de diversão, de lazer e procuram aproveitar bem os bons momentos da vida. Na mandala zodiacal este signo rege a quinta casa que fala, entre outras coisas, dos nossos amores, dos nossos filhos, das nossas criações e dos nossos talentos e criatividade.

Os leoninos tendem a ser amorosos, apaixonados e muito devotados a tudo que se dedicam. Sendo amorosos e generosos, não é por acaso que os leoninos são do signo que rege o coração. Também por isso, as vezes mostram-se passionais ou coléricos. Como já foi dito, a energia solar traz uma grande criatividade e eles sentem prazer em fazê-la funcionar no seu trabalho e em tudo o que realizam. São bons administradores e organizados em suas tarefas.
De forma negativa, há tendência a inflação do ego e dessa forma podem mostrar-se arrogantes, orgulhosos, vaidosos, prepotentes e autoritários. Dessa forma, necessitam sempre aparecer mais que os outros, brilhar em excesso, agindo de um modo exagerado e exibicionista. A vida para eles é sempre um palco e, se não forem cuidadosos e ficarem atentos, isso pode torná-los egocêntricos e narcisistas.
A pessoa desse signo pode ter vocação para ser um bom ator, professor, palestrante, apresentador. Sente-se bem diante de uma platéia e tem o dom de convencer transmitindo sinceridade, segurança e convicção. Pode ser um showman para o bem ou para o mal, dependendo de como sua atitude, algumas vezes tendendo a um estilo grandioso, se apresenta ao mundo.

Sendo assim, podemos dizer que a pessoa com a energia de natureza fortemente yang do signo do Leão, ao vivenciar equilibradamente o seu mapa, terá à sua disposição as melhores condições possíveis, para o ser humano, de sentir-se bem consigo mesmo, de ser independente e bastar-se a si mesmo, de possuir amor-próprio e amor à vida, aproveitando com muita segurança e prazer os talentos que trouxe consigo para esta existência. Para isso, precisa amar com muita intensidade e entrega, gostar de estar apaixonado, não só por pessoas, mas também por causas as mais diversas pelas quais venha a se interessar e lutar.

Todos nós possuímos o signo do Leão em algum lugar dos nossos mapas e também o Sol brilhando em nossas mandalas zodiacais. Nesses locais temos tudo para aproveitar essa energia solar que aquece nossos corações e nos proporciona calor, cor e alegria à vida, nos dando condições de usarmos as boas qualidades que ela nos traz:

Amorosidade – Auto-estima – Confiança – Vivacidade - Nobreza de caráter – Generosidade – Autoridade - Prazer e Alegria de viver. Energia Vital



Tudo isso vale para as pessoas que possuem Sol, Lua, Ascendente, alem de Mercúrio, Marte, Vênus e alguns aspectos mais fortes do Sol em seus mapas astrais.



Estaremos vivenciando esse momento extremamente solar durante um mês. É um belo momento, propício para lapidarmos nossos egos, reforçando o que ele possa oferecer de melhor para o mundo que nos cerca. Esse ego que a divindade nos permitiu possuir para encarnar nossas almas e, por isso mesmo como toda criação, é tão sagrado quanto elas (as almas). Ele representa o herói que se faz aos poucos, construído através de uma jornada dura, intensa e sofrida até atingir o objetivo final: A tomada de consciência. Quando a consciência se expande, o herói se liberta. Cuidemos, pois, para que esse nosso ego consiga refletir toda luminosidade contida em nosso Sol Interno, vinda do nosso Centro de Luz, da ligação com o Criador. Que essa luz possa iluminar nossas vidas e as vidas das pessoas que nos são próximas, pois apesar da jornada ser solitária, os ajudantes são muitos, mesmo quando invisíveis à nossa percepção e aos nossos olhos. Nela aprendemos a receber, agradecer e compartilhar. A nos comprometermos, sem deixarmos de ser livres!
No dia de hoje, além do Sol, a Lua e o Mercúrio se encontram no signo de Leão. As emoções, os sentimentos e os pensamentos também estão inflamados. Cuidemos dos relacionamentos com carinho. Que os nossos corações estejam em chamas, brilhando de amor e generosidade!

Festa Julina Fotos

video

Festa Julina Casa de Padre Pio 2009

video

5 de ago de 2009

Educação - Dr. Içami Tiba, Psiquiatra

Palestra ministrada pelo Dr. Içami Tiba, Psiquiatra, em Curitiba, 23.07.2008


1. A educação não pode ser delegada à escola.
Aluno é transitório. Filho é para sempre.
2. O quarto não é lugar para fazer criança cumprir castigo. Não se pode castigar alguém com internet, som, tv, etc.
3. Educar significa punir as condutas derivadas de um comportamento errôneo. Queimou índio pataxó, a pena (condenação judicial) deve ser passar o dia todo em hospital de queimados.
4. Confrontar o que o filho conta com a verdade real. Se falar que professor o xingou, tem que ir até a escola e ouvir o outro lado, além das testemunhas.
5. Informação é diferente de conhecimento. O ato de conhecer vem após o ato de ser informado de alguma coisa. Não são todos que conhecem. Conhecer camisinha e não usar significa que não se tem o conhecimento da prevenção que a camisinha proporciona.
6. A autoridade deve ser compartilhada entre os pais. Ambos devem mandar. Não podem sucumbir aos desejos da criança. Criança não quer comer? A mãe não pode alimentá-la. A criança deve aguardar até a próxima refeição que a família fará. A criança não pode alterar as regras da casa. A mãe NÃO PODE interferir nas regras ditadas pelo pai (e nas punições também) e vice-versa. Se o pai disse que não ganhará doce, a mãe não pode interferir. Tem que respeitar sob pena de criar um delinquente. Em casa que tem comida, criança não morre de fome . Se ela quiser comer, saberá a hora. E é o adulto tem que dizer QUAL É A HORA de se comer e o que comer.
7. A criança deve ser capaz de explicar aos pais a matéria que estudou e na qual será testada. Não pode simplesmente repetir, decorado. Tem que entender.
8. Temos que produzir o máximo que podemos, pois na vida não podemos aceitar a média exigida pelo colégio. Não podemos dar 70% de nós, ou seja, não podemos tirar 7,0.
9. As drogas e a gravidez indesejada estão em alta porque os adolescentes estão em busca de prazer. E o prazer é i nconsequente, pois aquela informação, de que droga faz m al, não está gerando conhecimento.
10. A gravidez é um sucesso biológico, e um fracasso sob o ponto de vista sexual.
11. Maconha não produz efeito só quando é utilizada. Quem está são, mas é dependente, agride a mãe para poder sair de casa, para da droga fazer uso. A mãe deve, então, virar as costas e não aceitar as agressões. Não pode ficar discutindo e tentando dissuadi-lo da idéia. Tem que dizer que não conversará com ele e pronto. Deve 'abandoná-lo'.
12. A mãe é incompetente para 'abandonar' o filho. Se soubesse fazê-lo, o filho a respeitaria. Como sabe que a mãe está sempre ali, não a respeita.
13. Homem não gosta quando a mulher vem perguntar: 'E aí, como foi o seu dia?'. O dia, para o homem, já foi, e ele só falará se tiver alguma coisa relevante. Não quer relembrar todos os fatos do dia..
14. Se o pai ficar nervoso porque o filho aprontou alguma coisa, não deve alterar a voz. Deve dizer que está nervoso e, por isso, não quer discussão até ficar calmo. A calmaria, deve o pai dizer, virá em 2, 3, 4 dias. Enquanto isso, o videogame, as saídas, a balada, ficarão suspensas, até ele se acalmar e aplicar o devido castigo.
15. Se o filho não aprendeu ganhando, tem que aprender perdendo.
16. Não pode prometer presente pelo sucesso que é sua obrigação. Tirar nota boa é obrigação. Não xingar avós é obrigação. Ser polido é obrigação. Passar no vestibular é obrigação. Se ganhou o carro após o vestibular, ele o perderá se desistir ou for mal na faculdade.
17. Quem educa filho é pai e mãe. Avós não podem interferir na educação do neto, de maneira alguma. Jamais. Não é cabível palpite. Nunca.
18. Mães, muitas são loucas. Devem ser tratadas. (palavras dele).
19. Se a mãe engolir sapos do filho, a sociedade terá que engolir os dele.
20. Videogames são um perigo. Os pais têm que explicar como é a realidade. Na vida real, não existem 'vidas', e sim uma única vida. Não dá para morrer e reencarnar. Não dá para apostar tudo, apertar o botão e zerar a dívida.
21. Professor tem que ser líder. Inspirar liderança. Não pode apenas bater cartão.
22. Pai não pode explorar o filho por uma inabilidade que o próprio pai tenha. 'Filho, digite tudo isso aqui pra mim porque não sei ligar o computador'. O filho tem que ensiná-lo para aprender a ser líder. Se o filho ensina o líder (pai), então ele também será um líder.
23. O erro mais frequente na educação do filho é colocá-lo no topo da casa. Não há hierarquia. O filho não pode ser a razão de viver de um casal. O filho é um dos elementos. O casal tem que deixá-lo, no máximo, no mesmo nível que eles. A sociedade pagará o preço quando alguém é educado achando-se o centro do universo.
24. Filhos drogados são aqueles que sempre estiveram no topo da família.
25. Cair na conversa do filho é criar um marginal. Filho não pode dar palpite em coisa de adulto. Se ele quiser opinar sobre qual deve ser a geladeira, terá que saber qual é o consumo (KWh) da que ele indicar. Se quiser dizer como deve ser a nova casa, tem que dizer quanto que isso (seus supostos luxos) incrementará o gasto final.
26. Dinheiro 'a rodo' para o filho é prejudicial. Tem que controlar e ensinar a gastar.

1 de ago de 2009

A VIDA SECRETA DAS PALAVRAS...

Outro dia, assisti a um DVD que narrava uma história para crianças cujo título era “Coração de Tinta, o livro mágico”. A história falava de um restaurador de livros, um “médico “ dos livros , que tinha uma filha. Ele vivia em lojas de antiquários de livros procurando o livro título do filme. Quando ele descobre o livro em uma loja ,passa a ser perseguido por “personagens” maus do livro, pois ele tinha um dom que ele só descobriu quando adulto . Esses personagens o chamavam de “Língua de Prata”, pois ao contar a história desse livro para sua filha ainda bebê, sua esposa que estava ao seu lado ,subitamente, desapareceu, surgindo neste plano, os bandidos da história. Fugindo deles com sua filha, nunca mais lhe contou uma história, passando então, a procurar o referido livro destruído pelos malfeitores , que , por sua vez, não queriam regressar ao mundo descrito pela história.Por isso,, também o caçavam para que com o dom da sua palavra , pudesse dar vida ao chefe deles, através da continuação da sua leitura,. Em torno deste fantasioso enredo, foram se desenvolvendo as peripécias do Língua de Prata e a sua filha para libertarem a sua esposa e mãe e enviar os bandidos de volta de onde vieram. Realmente, uma história infantil bem movimentada...
Porém, ao assisti-la, ela me fez pensar sobre e curiosidade, o poder energético da palavra escrita e falada.Desde a antiguidade, esse poder tem sido abordado na esfera mística, e perpetuado em diversos livros infantis.
Contamos histórias para crianças visando o entretenimento delas, assim como, despertar-lhes o gosto pela leitura, desenvolver-lhes a imaginação e outras habilidades intelectuais, como atenção, memória, senso crítico e outras mais, bem como transmitir-lhes valores humanos universais.
Estimulada pela minha imaginação refleti se certos livros , devido a força vibratória de quem os escreveu e dos conteúdos abordados , poderiam constituir-se em “portais energéticos” para outras dimensões de vida, quando manuseados por pessoas sensitivas , versadas em assuntos pertinentes a energia da palavra? Recordo-me que tal tema, vem sendo , há tempos, abordado em filmes , como por exemplo, “Em algum lugar do passado” e outros , até de ficção científica.Porém, procurando nos abster desses aspectos mágicos, por si, muito envolvente, o que nós pessoas comuns poderíamos aprender com tais idéias?
Acho que tal assunto nos possibilita repensar a importância e o papel da linguagem escrita e oral em nossa vida, , com mais cuidado e atenção.
Muitas influências espirituais “nocivas” à nossa vida, percebidas como obsessões surgem e são aglutinadas pelo campo vibratório que mobilizamos à nossa volta, pelo poder dos nossos pensamentos e falas negativas , alimentados pela energia das nossas emoções de raiva, tristeza, vingança, pessimismo, ciúmes, invejas, etc...Com a continuação de tais comportamentos vamos formando um padrão vibratório invisível que funciona como um “escudo” que dificulta a entrada de influências positivas que poderiam retirar o “obsedado “do “inferno vibratório”, que ele atraiu para si mesmo, e se colocou. Porém, a contraparte também é verdadeira.
Quanto mais zelamos pela qualidade do nosso pensar, buscando nos manter mais atentos às emoções que nos mobilizam, mais temos condições de identificar àquelas que nos geram infelicidade, aprendendo a olhá-las com atenção e carinho , atentos ao que elas espelham: as nossas dificuldades ou mediocridades. Buscando agir assim, estaremos gradativamente nos capacitando a dominá-las, integrando-as ao nosso ser, assim como, ao procurarmos desenvolver as nossas virtudes estaremos construindo uma couraça vibratória protetora aos chamados “miasmas”, poeira energética formada pela negatividade que emitimos , de uma forma consciente ou inconsciente, que se acha presente à nossa volta, “ flutuando ” na atmosfera. , com cuidado e atenção
Finalizando este breve ensaio, deixo as questões abaixo descritas como estímulo ao nosso aprofundamento:
-_ Que portais energéticos costumamos acessar através da “qualidade “dos nossos pensamentos, emoções, e atitudes que tomamos em relação à nós mesmos , aos outros e, à vida?
_ Poderemos melhorar as nossas vidas , trazendo à tona , personagens “bandidos” existentes nas “cavernas escuras” de nossas almas, gerados pelos nossos desejos mais obscuros e primitivos ? Por que estaríamos dando vida a eles?
_ Posso estar me comprazendo com o efeito que eles causam à minha volta? Sinto-me “importante “pela atenção negativa que conquisto ou imponho? Ou tenho medo de encará-los ,e, assim, sempre que escapam, são enviados rapidamente às “masmorras “da minha alma,?Assim, me sinto melhor, mais seguro e equilibrado , “aparentemente” são?
Ou, ao contrário, esforço-me em identificá-los para tratá-los e curá-los , projetando neles a luz da compreensão, esperança, fé e gratidão que todos trazem , em potencial ,dentro de si, pelo Curador Interno que possuímos face a Força Criadora inerente a nós?
Denise Cristina Ribeiro Gomes

29 de jul de 2009

DO MUNDO VIRTUAL AO ESPIRITUAL - Por Frei Betto

Ao viajar pelo Oriente, mantive contatos com monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China.. Eram homens serenos, comedidos, recolhidos e em paz nos seus mantos cor de açafrão.

Outro dia, eu observava o movimento do aeroporto de São Paulo: a sala de espera cheia de executivos com telefones celulares, preocupados, ansiosos, geralmente comendo mais do que deviam. Com certeza, já haviam tomado café da manhã em casa, mas como a companhia aérea oferecia um outro café, todos comiam vorazmente. Aquilo me fez refletir: 'Qual dos dois modelos produz felicidade?'

Encontrei Daniela, 10 anos, no elevador, às nove da manhã, e perguntei: 'Não foi à aula?' Ela respondeu: 'Não, tenho aula à tarde'. Comemorei: 'Que bom, então de manhã você pode brincar, dormir até mais tarde'. 'Não', retrucou ela, 'tenho tanta coisa de manhã...' 'Que tanta coisa?', perguntei. 'Aulas de inglês, de balé, de pintura, piscina', e começou a elencar seu programa de garota robotizada. Fiquei pensando: 'Que pena, a Daniela não disse: 'Tenho aula de meditação!'

Estamos construindo super-homens e supermulheres, totalmente equipados, mas emocionalmente infantilizados. Por isso as empresas consideram agora que, mais importante que o QI, é a IE, a Inteligência Emocional. Não adianta ser um superexecutivo se não se consegue se relacionar com as pessoas. Ora, como seria importante os currículos escolares incluírem aulas de meditação!

Uma progressista cidade do interior de São Paulo tinha, em 1960, seis livrarias e uma academia de ginástica; hoje, tem sessenta academias de ginástica e três livrarias! Não tenho nada contra malhar o corpo, mas me preocupo com a desproporção em relação à malhação do espírito. Acho ótimo, vamos todos morrer esbeltos: 'Como estava o defunto?'. 'Olha, uma maravilha, não tinha uma celulite!' Mas como fica a questão da subjetividade? Da espiritualidade? Da ociosidade amorosa?

Outrora, falava-se em realidade: análise da realidade, inserir-se na realidade, conhecer a realidade. Hoje, a palavra é virtualidade. Tudo é virtual. Pode-se fazer sexo virtual pela internet: não se pega aids, não há envolvimento emocional, controla-se no mouse. Trancado em seu quarto, em Brasília, um homem pode ter uma amiga íntima em Tóquio, sem nenhuma preocupação de conhecer o seu vizi­nho de prédio ou de quadra!

Tudo é virtual, entramos na virtualidade de todos os valores, não há compromisso com o real! É muito grave esse processo de abstração da linguagem, de sentimentos: somos místicos virtuais, religiosos virtuais, cidadãos virtuais. Enquanto isso, a realidade vai por outro lado, pois somos também eticamente virtuais…

A cultura começa onde a natureza termina. Cultura é o refinamento do espírito. Televisão, no Brasil - com raras e honrosas exceções -, é um problema: a cada semana que passa, temos a sensação de que ficamos um pouco menos cultos.

A palavra hoje é 'entretenimento' ; domingo, então, é o dia nacional da imbecilização coletiva. Imbecil o apresentador, imbecil quem vai lá e se apresenta no palco, imbecil quem perde a tarde diante da tela.. Como a publicidade não consegue vender felicidade, passa a ilusão de que felicidade é o resultado da soma de prazeres: 'Se tomar este refrigerante, vestir este tênis,­ usar esta camisa, comprar este carro, você chega lá!' O problema é que, em geral, não se chega! Quem cede desenvolve de tal maneira o desejo, que acaba­ precisando de um analista. Ou de remédios. Quem resiste, aumenta a neurose.

Os psicanalistas tentam descobrir o que fazer com o desejo dos seus pacientes. Colocá-los onde? Eu, que não sou da área, posso me dar o direito de apresentar uma su­gestão. Acho que só há uma saída: virar o desejo para dentro. Porque, para fora, ele não tem aonde ir! O grande desafio é virar o desejo para dentro, gostar de si mesmo, começar a ver o quanto é bom ser livre de todo esse condicionamento globalizante, neoliberal, consumista. Assim, pode-se viver melhor.

Aliás, para uma boa saúde mental três requisitos são indispensáveis: amizades, auto-estima, ausência de estresse.

Há uma lógica religiosa no consumismo pós-moderno. Se alguém vai à Europa e visita uma pequena cidade onde há uma catedral, deve procurar saber a história daquela cidade - a catedral é o sinal de que ela tem história. Na Idade Média, as cidades adquiriam status construindo uma catedral; hoje, no Brasil, constrói-se um shopping center. É curioso: a maioria dos shopping centers tem linhas arquitetônicas de catedrais estilizadas; neles não se pode ir de qualquer maneira, é preciso vestir roupa de missa de domingo. E ali dentro sente-se uma sensação paradisíaca: não há mendigos, crianças de rua, sujeira pelas calçadas...

Entra-se naqueles claustros ao som do gregoriano pós-moderno, aquela musiquinha de esperar dentista. Observam-se os vários nichos, todas aquelas capelas com os veneráveis objetos de consumo, acolitados por belas sacerdotisas. Quem pode comprar à vista, sente-se no reino dos céus. Se deve passar cheque pré-datado, pagar a crédito, entrar no cheque especial, sente-se no purgatório. Mas se não pode comprar, certamente vai se sentir no inferno... Felizmente, terminam todos na eucaristia pós-moderna, irmanados na mesma mesa, com o mesmo suco e o mesmo hambúrguer do McDonald's…

Costumo advertir os balconistas que me cercam à porta das lojas: 'Estou apenas fazendo um passeio socrático.' Diante de seus olhares espantados, explico: 'Sócrates, filósofo grego, também gostava de descansar a cabeça percorrendo o centro comercial de Atenas. Quando vendedores como vocês o assediavam, ele respondia:
'Estou apenas observando quanta coisa existe de que não preciso para ser feliz.'

17 de jul de 2009

Projeto semente Viva - Myrian e Nelson

O Projeto SEMENTE VIVA já é uma realidade!
Uma idéia que surgiu há 16 anos, e que agora começa a germinar na Casa de Repouso São Francisco de Paula - RJ; é um projeto Social, sem fins lucrativos, que une pessoas interessadas em um novo olhar da Natureza.
Iniciamos dia 11/07/09 , sábado, as 8 hs, um grande encontro com voluntários que estavam dispostos a " colocar a mão na massa" em um trabalho de campo, onde aprendemos e fizemos compostagem e limpeza parcial do terreno que nos foi cedido para a implantação do projeto que virá a beneficiar não só os idosos residentes na casa como seus familiares, funcionários, cuidadores, e futuramente a comunidade local. Caso vc se interesse em colaborar, teremos muito prazer em te receber junto a nós. Nosso objetivo é contribuir para uma melhor qualidade de vida a todos aqueles que lá residem, atraves do cultivo de uma Horta Orgânica; Alimentos germinados, Plantas Medicinais... que surgirão em breve com a união de todos.
É apenas o início de uma nova história que poderemos deixar escrita no coração de muitos.
Temos que lembrar que todos estamos em um lindo momento planetário, e se assumirmos 100% de responsabilidade por um mundo melhor, tudo pode mudar! Tudo começa em nós, e a hora é esta!!!!
Caso queira se unir a este projeto , entre em contato comigo.
Paz além de toda compreensão.

15 de jul de 2009

Preguiça Espiritual

Lemos muito, nos aprofundamos diáriamente e com honestidade, pesquisamos nossas sombras... mas porque não conseguimos alcançar níveis mais altos de consciência? Por que não persistimos na senda espiritual crescendo e nos desenvolvendo passo a passo na mesma medida do nosso desenvolvimento e acumulo de conhecimento?
Somos sérios, mas nem tanto...

Já perceberam o mecanismo de um fanatismo? Se observarmos mais de perto este fenômeno podemos ter uma dica de algo positivo e prático que pode nos ajudar.
É visível que todo fanático, por qualquer coisa que seja, é absolutamente comprometido com sua causa, absolutamente apaixonado, persistente e obcecadamente por sua causa. Talvez nos falte comprometimento espiritual e nos sobre preguiça espiritual.

Veja bem, a preguiça é o vício correspondente à virtude da disposição, e ambos são característicos ou correspondentes ao chacra cardíaco. Quando está em jogo “o amor da minha vida” tenho disposição para dormir só 4h por dia, fazer esforços físicos hercúleos e até maratonas intelectuais. Já para algo que não nos toca o coração, a disposição é de difícil acesso. Já a preguiça, se instala com facilidade.
Na verdade muitos de nós somos alunos da espiritualidade, o problema é que somos alunos relapsos.

A cada pensamento, ato ou palavra dissonante do nosso nível mais elevado, mais distante nos colocamos da experiência e vivência do AMOR. Ninguém disse que esta tarefa seria fácil. Não é fácil fazer aflorar nosso potencial espiritual. O conhecimento ajuda, e muito, mas só a experiência diária, com a aprendizagem através dos erros, é capaz de nos alçar a um nível de amar de forma destemida.

Na prática, como se faz isso?
Acredito que um bom começo está em desaprender o medo, em ver o que se esconde atrás do medo em todas as situações, em abençoar alguém ao invés de culpá-lo ou procurar onde está a culpa, em ver o motivo, a razão muitas vezes oculta para tal situação desconfortável ou atitude inconveniente, nossa ou alheia.

Só o amor é capaz de expulsar todo o nosso medo.
Numa época tão conturbada como a nossa em que diariamente nos vemos divididos entre o amor e o medo, é necessário que nos apliquemos mais e tenhamos nítido o nosso foco – aprender a viver em Deus.

Dizer que somos feitos à imagem e semelhança de Deus, que somos divinos, não é o mesmo que acreditar e viver isso. Quando verdadeiramente consideramos este fato percebemos a riqueza espiritual que herdamos e que está pronta para ser usada expulsando toda a preguiça e escuridão interior e ao nosso redor.

O Universo está continuamente nos provendo novos começos que refletem nossa essência, mas nem sempre estamos prontos para recebê-las.
Não é arrogância espiritual acreditar que somos infinitamente criativos e potencialmente perfeitos pela Graça Divina, mas humildade, aceitar a presença do Espírito em nossa vida, bem como permitir que suas bênçãos se manifestem através de nós. Para isso basta estar receptivo e com disposição amorosa para SER e VIVER em Deus.

Por Rose Lane Romero da Rosa

13 de jul de 2009

Prevenindo a Depressão

Estudando e refletindo sobre a depressão, patologia que traz sérios prejuízos para a vida social, psicológica e espiritual do homem, salientamos alguns itens considerados essenciais a prevenção desse quadro de grande sofrimento nos dias de hoje:
1- Religiosidade
O aprofundamento interno propiciado por uma religião esclarecida tende a estimular a aprendizagem de sentimentos de aceitação, solidariedade e perdão ante a realidade adversa vivenciada, quer seja ela ligada a deficiências ou morte de entes queridos. Ao entendermos que tudo na matéria é temporário , assim como, toda dor, carência, ou doença, torna-se mais fácil aprendermos a lidar com os momentos de sofrimento..
2- Diminuição do Orgulho
O indivíduo com acentuado orgulho acha-se muito vulnerável à depressão, pois tende a se ofender com facilidade , isolando-se daqueles com os quais não tem afinidade. Dessa forma, tende a se sentir como uma vítima do mundo, ao não fazer uso do processo de auto-análise, necessário para um melhor entendimento das situações que nos fazem sofrer.
A prática da humildade não propicia “brechas” para cultivarmos mágoas inúteis.
3- Perda do Egocentrismo
Pessoas muito centradas em si mesmas sofrem demasiadamente quando não recebem a atenção que acham que deveriam merecer, pois não conseguem lidar com a indiferença do mundo face aos seus desejos, origem de muitos estados depressivos. Ao direcionarmos os nossos cuidados para com os outros, além de nos tornamos úteis, esquecemos de nossas dores , passando a melhor compreendê-las e, dessa forma, passamos a vivenciar momentos de maior equilíbrio e bem estar.
4-Trabalho
A mente ocupada em um trabalho que nos traga prazer, certamente, não dará abertura para o aparecimento da depressão.
5- Otimismo
Um dos maiores antídotos à depressão é o otimismo, pois ao aprendermos a ver de uma forma mais positiva o que nos acontece ,impedimos o surgimento de focos de baixa estima estimuladores da depressão.
6- Perdão
O ato de perdoar não é apenas uma recomendação religiosa, mais , antes de tudo, constitui-se no desenvolvimento de atitudes de grande valor preventivo e terapêutico à males inúmeras vezes, maiores do que o mal recebido. Um coração generoso esforça-se em compreender o vivido; assim como, quando buscamos praticar o auto-perdão, estamos exercitando a virtude da humildade, ao entendermos que o erro faz parte do crescimento , da nossa condição de imperfeição humana.
7- Aceitação
Aprender a aceitar as perdas inevitáveis do nosso existir, como a morte de um ente querido, da juventude, da saúde, do nível social e situação econômica...buscando-se compreender tais fatos, nos induzem ao amadurecimento espiritual, condição básica à prevenção da depressão.
8- Fé
O maior antídoto para a depressão constitui-se na fé que a pessoa possa ter em relação a Deus e em relação à si mesma. Muitas filosofias sinalizam que o sofrimento seria provocado pelo afastamento do homem da sua “Luz” interior, oriunda Daquele que nos criou. Isso, nos levaria a naturalmente, perdemos a nossa alegria de viver... Salientam a importância do resgate das relações do homem com o Divino, como fonte de equilíbrio e saúde física e mental.
Caso, após a observância destes aspectos, ainda sintamos necessidade de ter um auxílio para nos prevenirmos da Depressão, uma das doenças da Modernidade, não devemos deixar de procurar um terapeuta, pois temos o direito à felicidade....
Adaptação feita por D. Gomes, de texto sem autoria, da Internet.

1 de jul de 2009

A Civilização Suméria - Capítulo I

A Civilização Suméria
Capítulo I
por Marcelo Santoro da Costa

Geralmente a civilização Suméria é considerada a civilização mais antiga da humanidade. Suméria, Shumeria, ou Shinar
. Na bíblia, Sinar. Em egípcio Sangar e Ki-en-gir na língua nativa. Os sumérios estabeleceram-se ao norte do golfo Pérsico, na embocadura do Tigre e do Eufrates que nascem nas montanhas da Turquia, apropriadamente posicionada em terrenos conhecidos por sua fertilidade. Localizavam-se na parte sul da Mesopotâmia, hoje conhecido como Iraque. Acredita-se que pertencessem a uma raça vizinha a dos egípcios. Evidências arqueológicas datam o início da civilização suméria em meados do quarto milênio A.C, data tradicionalmente atribuída para o surgimento da escrita, marco inicial da contagem da história. Contudo, há relatos de que é ainda mais antiga. Alguns estudiosos apontam erros nas datas de construção das pirâmides egípcias, estas ultrapassariam 10.000 anos de existência. A organização social dos Sumérios foi responsável por inúmeras contribuições presentes em nossa sociedade atual, influenciando a formação das sociedades greco-romanas, que por sua vez, influenciaram praticamente todo o mundo ocidental.
Duas importantes criações atribuídas aos sumérios são a Escrita Cuneiforme, que provavelmente antecede todas as outras formas de escrita, tendo sido originalmente usada por volta de 4000 a.C.; e as Cidades-Estado - a mais conhecida delas sendo, provavelmente, a cidade de Ur, construída por Ur-Nammu, o fundador da terceira dinastia Ur por volta de 2000 A.C. Os sumérios descreviam-se como Sag-gi-ga ‘o povo de cabeças negras’ e chamaram sua terra Ki-en-gi, o ‘lugar dos senhores civilizados’.
A palavra acadiana Shumer possivelmente representa esse significado, contudo, em outro dialeto. A história dos sumérios, donos de língua, cultura e provavelmente aparência, foram diferentes da dos seus vizinhos e sucessores. Alguns arqueólogos afirmam que os sumérios procediam, de fato, das planícies mesopotâmicas. Outros sugerem que o termo 'suméria' deveria se restringir à língua sumeriana, baseando-se no fato de que não havia grupos étnicos 'sumérios' avulsos. O próprio termo 'sumério' é geralmente usado para se referir a uma língua isolada (no campo da Lingüística), já que ela não pertence a nenhuma família lingüística conhecida - ao contrário do acádio, por exemplo, que pertence ao hamito-semítico, ou às chamadas línguas afro-asiáticas. Os sumérios já possuíam uma escrita composta de desenhos ou pictogramas ainda mais antiga que a egípcia. A escrita era traçada se utilizando de uma cunha, em tábuas de argila cozidas ao forno. Mais tarde, os pictogramas foram substituídos por sinais que representavam não mais objetos, mas sons e sílabas. Como se assemelhavam a cunhas, esta escrita foi chamada cuneiforme.
As cidades sumerianas, das quais a principal tinha o nome de Ur, eram construídas sobre vastos terraços artificiais. Cada uma tinha, por líder, um rei ou governador. Quando algum deles falecia, enterravam junto suas jóias, sua viúva e seus servidores. Os Sumérios criaram uma arte vigorosa e realista. Usavam roupas tecidas, possuíam exército regular e utilizavam carros com rodas. Entre os principais deuses adorados pelos sumérios está Anu (ou An), Deus do céu; Ninti – Senhora da vida, a Deusa-mãe; Enlil, o deus do vento (ou Senhor do Comando) e Enki, deus (ou Senhor) da Terra, ambos, filhos de Anu (ou Senhor das Alturas).
Cada um dos deuses sumérios (em sua própria língua, ‘dingir’) era associado a cidades diferentes, e a importância religiosa a eles atribuída intensificava-se ou esmorecia dependendo do poder político da cidade associada. Segundo a tradição suméria, os deuses criaram o ser humano com o propósito de serem ‘servidos’ por essas novas criaturas. Houve uma época em que estes Deuses ficaram frustrados, e decidiram expressar seus sentimentos através de terremotos e catástrofes aparentemente naturais. A essência primordial da crença suméria baseava-se, portanto, máxima de que toda a humanidade estava à mercê desses deuses.
Os sumérios são geralmente considerados os inventores da astronomia. Nas ruínas das cidades sumérias escavadas por arqueólogos desde o princípio do século XX, foram encontradas muitas centenas de inscrições e textos deste povo sobre suas observações celestes. Entre estas inscrições existem listas específicas de constelações e posicionamento de planetas no espaço, bem como informações e manuais de observação. Existem textos específicos sobre o sistema solar e o movimento dos planetas em torno do Sol, na sua ordem correta atual, muito antes da descoberta oficial moderna dos planetas de nosso sistema solar. Os sumérios consideravam o sistema solar como sendo todos os planetas girando ao redor do Sol. Os observatórios sumérios obtinham cálculos do ciclo lunar que diferiam em apenas 0,4 segundos dos cálculos atuais. Foi descoberto um cálculo cujo resultado final em nossa numeração corresponde a um número de quinze casas. Os gregos, no auge do saber, não passaram do número 10.000, o resto seria o "infinito". Existe dados sobre Plutão, planeta descoberto em 1930, (atualmente rebaixado de categoria); seu tamanho era conhecido, bem como sua composição química e orgânica. Afirmavam que era na verdade um satélite de Saturno que se "desprendeu" e ganhou nova órbita. Chamavam a Lua de pote de chumbo e diziam que seu núcleo era uma 'cabaça' de ferro. Durante o programa Apolo, a NASA confirmou esses dados.
Existem milhares de textos sobre medicina, arquitetura, engenharia, hidráulica, matemática avançada, química, física, etc. A Agricultura era alicerçada em técnicas de irrigação e drenagem, desenvolviam canais de irrigação, diques, reservatórios; leis eram baseadas em costumes; havia prática comercial; escrita; havia um sistema político; cidades-estados ou estados soberanos e hierarquias sacerdotais para organizações religiosas. Surgiam as primeiras bibliotecas, uma delas, descoberta recentemente na cidade de Nipur, a 150 km ao sul da atual Bagdá, continha cerca de 60.000 tabletes de argila com inscrições cuneiformes com relatos precisos sobre origem do homem. Outras provas (contemporâneas) são os fenomenais projetos arquitetônicos, complexos piramidais que englobam vários módulos de edifícios, abrigando desde templos religiosos até plenários políticos construídos ao redor de um bloco-célula central e interligados por rampas espirais desde a base até o topo.
A língua suméria é uma língua isolada, o que significa que não está diretamente relacionada a nenhuma outra língua conhecida, apesar das várias tentativas equivocadas de provar ligações com outros idiomas. A língua suméria é aglutinante, ou seja, os morfemas (as menores unidades com sentido da língua) se justapõem para formar palavras. Os próprios acádios, após invadirem e conquistarem a Suméria adotaram o sistema cuneiforme daquele povo para materializar a própria língua, similarmente ao que há hoje entre o português e o inglês, por exemplo, onde ambos usam o mesmo alfabeto para representar idiomas diferentes.
A escrita cuneiforme começou como um sistema pictográfico, onde o objeto representado expressava uma idéia. Um barco marcado por determinados sinais, por exemplo, poderia significar que ele estava carregado ou vazio. Com o tempo, os cuneiformes passaram a ser escritos em tábuas de argila, nos quais os símbolos sumérios eram desenhados com um caniço afiado chamado estilete. A impressão deixada pelo estilete tinha forma de cunha, razão pela qual sua escrita terminou sendo chamada de cuneiforme.
Um corpo extremamente vasto (muitas centenas de milhares) de textos na língua suméria sobreviveu. Os tipos de textos sumérios conhecidos incluem cartas pessoais e de negócios e/ou transações comerciais, receitas, vocabulários, leis, hinos e rezas, encantamentos de magia e textos científicos incluindo matemática, astronomia e medicina. Inscrições monumentais e textos sobre diversos objetos, como estátuas ou tijolos, também são bastante comuns. Muitos textos sobrevivem em múltiplas cópias pelo fato de terem sido transcritos repetidamente por escribas "estagiários". A escola de Edubba (termo sumério que significa "Casa das Tabuletas"), por exemplo, era um dos centros de aprendizagem onde arquivos e escritos literários eram guardados (grafados) em tabuletas de argila. Edubba foi um dos primeiros centros acadêmicos (biblioteca) e um dos primeiros receptáculos de sabedoria de que se tem conhecimento.
A mais completa fonte de informações a respeito da nossa origem se encontra entre os achados arqueológicos das civilizações antigas; Mayas, Astecas, Incas, Nascar, Egípcios, Celtas, etc., porém, principalmente a civilização Suméria, a mais antiga. A compreensão dos textos sumérios pode ser problemática até mesmo para especialistas. Os textos mais antigos são os mais difíceis, pois não mostram a estrutura gramatical da língua de forma sólida.
Existe um homem que hoje é referência entre os estudiosos. Baseia-se em profundas pesquisas e traduções literais de milhares de textos cuneiformes impressos em tabletes de argila oriundos da antiga civilização Suméria.

Zecharia Sitchin nasceu na Rússia (Baku, Azerbaijão) e cresceu na Palestina, onde adquiriu um profundo conhecimento de hebraico moderno e antigo, diversas outras línguas antigas, inclusive européias, conhecimento profundo sobre o Velho Testamento e a história e a arqueologia do Oriente próximo. Lingüista, pioneiro e perito em escrita cuneiforme ainda hoje, entre eruditos, é um dos poucos capazes de traduzir a escrita cuneiforme característica das civilizações mesopotâmicas. Freqüentou e se formou na Universidade de Londres e é especializando em história econômica. Foi por muitos anos o principal editor e jornalista em Israel, e agora vive e escreve nos EUA. Seus livros têm sido amplamente traduzidos, convertidos para o ‘Braille’ e apresentados no rádio e na televisão. Atualmente é consultor da NASA e também autor de outros diversos livros. Afirma que as traduções revelam que os antigos mitos não são meramente mitos, mas textos, relatos repletos de evidências, fatos e comprovação histórica que mudarão completamente o conceito atual a respeito da Origem do Homem.

Em breve leia mais no Capítulo II ’A Civilização Suméria e a Origem do Homem’

30 de jun de 2009

A Grande Transição

Opera-se, na Terra, neste largo período, a grande transição anunciada pelas Escrituras e confirmada pelo Espiritismo. O planeta sofrido experimenta convulsões especiais, tanto na sua estrutura física e atmosférica, ajustando as suas diversas camadas tectônicas, quanto na sua constituição moral. Isto porque, os espíritos que o habitam, ainda caminhando em faixas de inferioridade, estão sendo substituídos por outros mais elevados que o impulsionarão pelas trilhas do progresso moral, dando lugar a uma era nova de paz e de felicidade. Os espíritos renitentes na perversidade, nos desmandos, na sensualidade e vileza, estão sendo recambiados lentamente para mundos inferiores onde enfrentarão as conseqüências dos seus atos ignóbeis, assim renovando-se e predispondo-se ao retorno planetário, quando recuperados e decididos ao cumprimento das leis de amor. Por outro lado, aqueles que permaneceram nas regiões inferiores estão sendo trazidos à reencarnação de modo a desfrutarem da oportunidade de trabalho e de aprendizado, modificando os hábitos infelizes a que se têm submetido, podendo avançar sob a governança de Deus. Caso se oponham às exigências da evolução, também sofrerão um tipo de expurgo temporário para regiões primárias entre as raças atrasadas, tendo o ensejo de ser úteis e de sofrer os efeitos danosos da sua rebeldia.

Concomitantemente, espíritos nobres que conseguiram superar os impedimentos que os retinham na retaguarda, estarão chegando, a fim de promoverem o bem e alargarem os horizontes da felicidade humana, trabalhando infatigavelmente na reconstrução da sociedade, então fiel aos desígnios divinos. Da mesma forma, missionários do amor e da caridade, procedentes de outras Esferas estarão revestindo-se da indumentária carnal, para tornar essa fase de luta iluminativa mais amena, proporcionando condições dignificantes, que estimulem ao avanço e à felicidade. Não serão apenas os cataclismos físicos que sacudirão o planeta, como resultado da lei de destruição, geradora desses fenômenos, como ocorre com o outono que derruba a folhagem das árvores, a fim de que possam enfrentar a invernia rigorosa, renascendo exuberantes com a chegada da primavera, mas também os de natureza moral, social e humana que assinalarão os dias tormentosos, que já se vivem. Os combates apresentam-se individuais e coletivos, ameaçando de destruição a vida com hecatombes inimagináveis. A loucura, decorrente do materialismo dos indivíduos, atira-os nos abismos da violência e da insensatez, ampliando o campo do desespero que se alarga em todas as direções. Esfacelam-se os lares, desorganizam-se os relacionamentos afetivos, desestruturam-se as instituições, as oficinas de trabalho convertem-se em áreas de competição desleal, as ruas do mundo transformam-se em campos de lutas perversas, levando de roldão os sentimentos de solidariedade e de respeito, de amor e de caridade...

A turbulência vence a paz, o conflito domina o amor, a luta desigual substitui a fraternidade....mas essas ocorrências são apenas o começo da grande transição. A fatalidade da existência humana é a conquista do amor que proporciona plenitude. Há, em toda parte, uma destinação inevitável, que expressa a ordem universal e a presença de uma Consciência Cósmica atuante. A rebeldia que predomina no comportamento humano elegeu a violência como instrumento para conseguir o prazer que lhe não chega da maneira espontânea, gerando lamentáveis conseqüências, que se avolumam em desaires contínuos. É inevitável a colheita da sementeira por aquele que a fez, tornando-se rico de grãos abençoados ou de espículos venenosos.
Como as leis da vida não podem ser derrogadas, toda objeção que se lhes faz converte-se em aflição, impedindo a conquista do bem-estar. Da mesma forma, como o progresso é inevitável, o que não seja conquistado através do dever, sê-lo-á pelos impositivos estruturais de que o mesmo se constitui. A melhor maneira, portanto, de compartilhar conscientemente da grande transição é através da consciência de responsabilidade pessoal, realizando as mudanças íntimas que se tornem próprias para a harmonia do conjunto.

Nenhuma conquista exterior será lograda se não proceder das paisagens íntimas, nas quais estão instalados os hábitos. Esses, de natureza perniciosa, devem ser substituídos por aqueles que são saudáveis, portanto, propiciatórios de bem-estar e de harmonia emocional. Na mente está a chave para que seja operada a grande mudança. Quando se tem domínio sobre ela, os pensamentos podem ser canalizados em sentido edificante, dando lugar a palavras corretas e a atos dignos. O indivíduo, que se renova moralmente, contribui de forma segura para as alterações que se vêm operando no planeta. Não é necessário que o turbilhão dos sofrimentos gerais o sensibilize, a fim de que possa contribuir eficazmente com os espíritos que operam em favor da grande transição. Dispondo das ferramentas morais do enobrecimento, torna-se cooperador eficiente, em razão de trabalhar junto ao seu próximo pela mudança de convicção em torno dos objetivos existenciais, ao tempo em que se transforma num exemplo de alegria e de felicidade para todos. O bem fascina todos aqueles que o observam e atrai quantos se encontram distantes da sua ação, o mesmo ocorrendo com a alegria e a saúde. São eles que proporcionam o maior contágio de que se tem notícia e não as manifestações aberrantes e afligentes que parecem arrastar as multidões. Como escasseiam os exemplos de júbilo, multiplicam-se os de desespero, logo ultrapassados pelos programas de sensibilização emocional para a plenitude. A grande transição prossegue, e porque se faz necessária, a única alternativa é examinar-lhe a maneira como se apresenta e cooperar para que as sombras que se adensam no mundo sejam diminuídas pelo Sol da imortalidade. Nenhum receio deve ser cultivado, porque, mesmo que ocorra a morte, esse fenômeno natural é veículo da vida que se manifestará em outra dimensão. A vida sempre responde conforme as indagações morais que lhe são dirigidas. As aguardadas mudanças que se vêm operando trazem uma ainda não valorizada contribuição, que é a erradicação do sofrimento das paisagens espirituais da Terra. Enquanto viceje o mal, no mundo, o ser humano torna-se-lhe a vítima preferida, em face do egoísmo em que se estorcega, apenas por eleição especial. A dor momentânea que o fere, convida-o, por outro lado, à observância das necessidades imperiosas de seguir a correnteza do amor no rumo do oceano da paz. Logo passado o período de aflição, chegará o da harmonia.
Até lá, que todos os investimentos sejam de bondade e de ternura, de abnegação e de irrestrita confiança em Deus.
Divaldo Pereira Franco pelo espírito Joana de Angelis

24 de jun de 2009

Ação Social em ação

A chave para a tranqüilidade nas relações se encontra na transformação dos nossos sentimentos e ações, um conceito que os indianos batizaram de ahimsa.

PS: todo movimento na ação social é circular, é simples de se observar através dos projetos praticados em nosso cotidiano, pois um realimenta o outro... Criando possibilidades, pois potencialidades, todos temos. Classe de Ioga para todas as idades (Natiele e Sra. Maria Diogo, praticando)



Não importa se você pinta, esculpe ou fabrica sapatos;
se você é jardineiro, fazendeiro, pescador, carpinteiro – isso não importa.
O que importa é: você está pondo toda a sua alma
naquilo que está criando?
Em caso afirmativo, o produto de sua criatividade
tem algo dos atributos de Deus.
(Osho)


Flores de Tecido - trabalho foi realizado pelas alunas da oficina de Reciclagem - Villa Pio.

SIGNO DE CÂNCER por Rosa Carmen

Desde o dia 21 de Junho o Sol encontra-se no signo de Câncer e ficará por lá até 22 de Julho. Significando para nós o início da influência de uma força energética cósmica que aumentará nosso interesse e preocupação pelos assuntos relacionados a:

LAR - MÃE - PÁTRIA - FAMÍLIA - FEMININO

Estação das frutas, que precisam ser bem cuidadas para que possam crescer viçosas. No Hemisfério Norte é verão, momento de clima caloroso e reconfortante, quando os dias são mais longos e o sol traz vitalidade aos frutos.
O simbolismo do caranguejo (do Latim; “câncer”) tem a ver com a rígida carapaça da qual esse animal é revestido. Sua constituição, aparentemente forte e impenetrável é um recurso da natureza para proteger a vida em formação. Suas pinças representam o “forte e protetor abraço materno”, ao mesmo tempo que defendem os filhos, propiciam-lhes condições de sobrevivência. Portanto, Câncer representa a matriz, as condições primordiais da existência que precisam ser protegidas para serem preservadas.
Para nós, do hemisfério sul, o Solstício do Inverno refere-se ao instante exato do Sol entrando no signo de Câncer.



Quarto signo do Zodíaco, o primeiro do elemento água, é também símbolo dos mares, das lagoas, rios, fontes, espelhos d’água e do leite materno e a seiva vegetal. Regido pela Lua, representa a mulher, as mães, o feminino. Fala dos mais intensos sentimentos e profundas emoções provocados por nossas reações diante de todas as experiências que passamos neste mundo em que vivemos.

As pessoas regidas pelo signo de Câncer possuem uma ligação muito forte com o lar e a família, sem que isto queira dizer que as relações familiares sejam boas, podem ser ou não. Mas, serão sempre intensas e tomarão um bom tempo de suas vidas e terão muita influência em suas emoções. A mãe dessas pessoas, presente ou ausente, será sempre uma figura muito poderosa.
Cancerianos tendem a ter um lado bastante reservado, cheio de segredos, e, ao mesmo tempo sentem necessidade de se ligar a outras pessoas, de se envolver com o mundo exterior. São pessoas que precisam de aconchego, abrigo e segurança. Quando são inseguros costumam ficar sempre buscando a atenção para si e podem querer fazer eterno papel de filhos. As vezes comportam-se de forma infantil, inseguros e carentes. Com lamúrias e chantagens, são controladores e mandões. O excesso de sensibilidade pode torná-los cheios de medos e susceptíveis a tudo, magoando-se facilmente.
A influência da energia deste signo, vivida de forma positiva, terá outra conotação tornando a pessoa extremamente receptiva, afetuosa, doadora, acolhedora. São pessoas que tornam-se “mães” de todos aqueles de quem gostam. Querem proteger os outros, educar, alimentar. Costumam ser excelentes anfitriões.
Emocionais, sensíveis e perceptivos, os nativos de Câncer podem “ouvir” coisas e ter “visões”. Possuem uma poderosa antena psíquica, têm capacidade para captar o que se passa ao entorno, assimilando todas as impressões, por isso devem tomar cuidado com o que se envolvem. Precisam ficar atentos e aprenderem a se proteger. Costumam ser bons atores, educadores ou políticos. Dotados de uma rica imaginação podem tornar-se escritores ou poetas. Bom para trabalhar como arquiteto, decorador e urbanista. Tem a ver também com as áreas de alimentação e hotelaria. Desejam e possuem condições de serem muito populares em tudo que fazem.
A casa 4 da roda zodiacal, regida por este signo, é a casa da família, dos antepassados, da herança genética. Portanto representa o nosso passado, do mais próximo ao mais longínquo. Por isso o canceriano, as vezes, vive muito no passado, apegando-se demasiado a ele. É também a casa que nos fala da Pátria.
A Lua, nosso lindo satélite, regente do signo do Câncer, significa para nós uma força feminina indiscutível, representando um dos aspectos do arquétipo da Grande Mãe e povoando fortemente o imaginário do ser humano desde os povos mais primitivos. É o símbolo de uma deusa de dupla face a qual já foram dados vários nomes pelos séculos afora:

SELENE – ARTHEMIS – HECATE – LILITH

Assim, este é um momento em que o ambiente familiar, os assuntos domésticos e a força do feminino encontram-se em evidência. Tempo de cuidarmos do nosso lar, da nossa casa externa e da nossa casa interna onde guardamos os sentimentos e as emoções mais caras e reservadas. Buscando vivenciar o que há de melhor nessa energia circulante. Antes de mais nada, um momento de “armazenarmos” provisões de PROTEÇÃO – SENSIBILIDADE – INTUIÇÃO – ACOLHIMENTO – DOAÇÃO – aquelas que enriquecem a alma e podem nos alimentar sempre.

Como sempre os efeitos de toda essa energia recaem sobre quem possua o Sol, o Ascendente, a Lua e fortes aspectos do nosso satélite em seu Mapa Natal.

EVENTOS NA CASA DE PADRE PIO

UM CURSO EM MILAGRES, com Gary Renard, afamado autor dos "best-sellers", em 17 países, "The disappearance of the Universe" e "Your immortal Reality".

O evento terá lugar no Rio de Janeiro, dia 11 de dezembro de 2010, sábado, com duração das 11 hs. às 18 hs. (Ingressos limitados)

Todas as informações sobre o evento, estão no site
http://www.garyrenardnorio.com.br/









Guerreiros da Paz

PEQUENAS CRÔNICAS DO COTIDIANO

Você é Espiritualmente Inteligente?

No livro QS - Inteligência Espiritual, lançado no ano passado, a física e filósofa americana Dana Zohar aborda um tema tão novo quanto polêmico: a existência de um terceiro tipo de inteligência que aumenta os horizontes das pessoas torna-as mais criativas e se manifesta em sua necessidade de encontrar um significado para a vida.
Ela baseia seu trabalho sobre Quociente Espiritual (QS) em pesquisas só há pouco divulgadas de cientistas de várias partes do mundo que descobriram o que está sendo chamado "Ponto de Deus" no cérebro, uma área que seria responsável pelas experiências espirituais das pessoas.
O assunto é tão atual que foi abordado em recentes reportagens de capa pelas revistas americanas Neewsweek e Fortune.
Afirma Dana: "A inteligência espiritual coletiva é baixa na sociedade moderna. Vivemos em uma cultura espiritualmente estúpida, mas podemos agir para elevar nosso quociente espiritual".
Aos 57 anos, Dana vive na Inglaterra com o marido, o psiquiatra Ian Marshall, co-autor do livro, e com dois filhos adolescentes. Formada em física pela Universidade Harvard, com pós graduação no Massachusetts Institute of Tecnology (MIT), ela atualmente leciona na universidade inglesa de Oxford. É autora de outros oito livros, entre eles, O Ser Quântico e A Sociedade Quântica, já traduzidos para o português.
QS - Inteligência Espiritual já foi editado em 27 idiomas, incluindo o português (no Brasil, pela Record). Dana tem sido procurada por grandes companhias interessadas em desenvolver o quociente espiritual de seus funcionários e dar mais sentido ao seu trabalho.
Ela falou a EXAME em Porto Alegre durante o 300 Congresso Mundial de Treinamento e Desenvolvimento da International Federation of Training and Development Organization (IFTDO), organização fundada na Suíça, em 1971, que representa um milhão de especialistas em treinamento em todo o mundo.
Eis os principais trechos da entrevista:
O que é inteligência espiritual?
É uma terceira inteligência, que coloca nossos atos e experiências num contexto mais amplo de sentido e valor, tornando-os mais efetivos. Ter alto quociente espiritual (QS) implica ser capaz de usar o espiritual para ter uma vida mais rica e mais cheia de sentido, adequado senso de finalidade e direção pessoal.
O QS aumenta nossos horizontes e nos torna mais criativos. É uma inteligência que nos impulsiona. É com ela que abordamos e solucionamos problemas de sentido e valor.
O QS está ligado à necessidade humana de ter propósito na vida.
É ele que usamos para desenvolver valores éticos e crenças que vão nortear nossas ações.
De que modo essas pesquisas confirmam suas idéias sobre a terceira inteligência?
Os cientistas descobriram que temos um "Ponto de Deus" no cérebro, uma área nos lobos temporais que nos faz buscar um significado e valores para nossas vidas.
É uma área ligada à experiência espiritual. Tudo que influência a inteligência passa pelo cérebro e seus prolongamentos neurais.
Um tipo de organização neural permite ao homem realizar um pensamento racional, lógico. Dá a ele seu QI, ou inteligência intelectual. Outro tipo permite realizar o pensamento associativo, afetado por hábitos, reconhecedor de padrões, emotivo. É o responsável pelo QE, ou inteligência emocional.
Um terceiro tipo permite o pensamento criativo, capaz de insights, formulador e revogador de regras.
É o pensamento com que se formulam e se transformam os tipos anteriores de pensamento.
Esse tipo lhe dá o QS, ou inteligência espiritual.
Qual a diferença entre QE e QS?
É o poder transformador. A inteligência emocional me permite julgar em que situação eu me encontro e me comportar apropriadamente dentro dos limites da situação.
A inteligência espiritual me permite perguntar se quero estar nessa situação particular.
Implica trabalhar com os limites da situação. Daniel Goleman, o teórico do Quociente Emocional, fala das emoções. Inteligência espiritual fala da alma. O quociente espiritual tem a ver com o que algo significa para mim, e não apenas como as coisas afetam minha emoção e como eu reajo a isso.
A espiritualidade sempre esteve presente na história da humanidade.
No início do século 20, o QI era a medida definitiva da inteligência humana.
Só em meados da década de 90, a descoberta da inteligência emocional mostrou que não bastava o sujeito ser um gênio se não soubesse lidar com as emoções...
A ciência começa o novo milênio com descobertas que apontam para um terceiro quociente, o da inteligência espiritual.
Ela nos ajudaria a lidar com questões essenciais e pode ser a chave para uma nova era no mundo dos negócios.
Dana Zohar identificou dez qualidades comuns às pessoas espiritualmente inteligentes. Segundo ela, essas pessoas:
1. Praticam e estimulam o autoconhecimento profundo
2. São levadas por valores. São idealistas
3. Têm capacidade de encarar e utilizar a adversidade
4. São holísticas
5. Celebram a diversidade
6. Têm independência
7. Perguntam sempre "por quê?"
8. Têm capacidade de colocar as coisas num contexto mais amplo
9. Têm espontaneidade
10. Têm compaixão